QUANDO VOCÊ PARA PRA PENSAR EM UMA LONGA VIAGEM PELO MUNDO TUDO PARECE UM SONHO. MAS NÃO SE ENGANE. VIAJAR O MUNDO NÃO É SÓ UM MAR DE ROSAS. OS MOMENTOS DE ESTRESSE VÃO INEVITAVELMENTE ACONTECER. A gente tende a falar só das coisas boas e as vezes esquecemos de mencionar o lado não tão bom assim. Mas ser realista é importante.

Quando viajamos por longo prazo não é como férias. É vida normal, só que em movimento. Todo mundo tem o seu dia de mau humor, de acordar com o pé virado, e isso também vai acontecer durante a viagem. Mas além disso, existem também várias sensações causadas pela realidade de uma longa viagem, que podem sim gerar estresse e momentos de tristeza, e daqueles brabos.

No geral existem 4 situações em uma viagem de longo prazo que podem culminar em estresse brabo, mas é claro que tudo isso pode variar de uma pessoa pra outra. Depois de 2 anos convivendo com essas situações eu vou passar aqui umas dicas de como você poderia lidar com elas durante a sua viagem. Afinal, pra tudo na vida existe um remédio.

4 SITUAÇÕES EM UMA LONGA VIAGEM QUE GERAM MOMENTOS DE ESTRESSE

1- Viajar por longo prazo cansa

Já imaginou que viajar podia cansar? Sim, fazer uma longa viagem cansa. Só que esse estresse vai afetar cerca de 98% dos viajantes de longo prazo. Ficar mudando toda hora de lugar desgasta. Como eu já falei, isso não é férias não. Você vai ter sempre que pensar qual o próximo lugar que eu vou, como eu chego lá, onde eu pego o transporte, quantas horas leva, quanto custa… Vai ter que fechar sua mochila pelo milionésima vez, procurar um novo lugar pra dormir, descobrir novos lugares para comer… Vai fazer longas e longas horas de viagem pra lá e pra cá… Blá, blá, blá. Na vida normal essas não são questões que estão diariamente na sua cabeça, sua rotina deixa tudo automático.

Agora imagina você fazendo isso por 1 ano ou mais. Quando você chega no sexto mês de viagem já está super estafado! E os “fast travelers” são os que sofrem mais com isso, pois eles tendem a viajar acelerado demais. Quando esse estresse chegar você vai se sentir cansado demais, vai ter vontade de chorar e vai pensar que você não quer mais viajar. O que na maioria das vezes não é verdade. E eu falo por experiência própria, pois nós somos “fast travelers” e eu tive algumas crises desse tipo de estresse.

CURA

  • Descanse: se você chegou nesse nível de estresse é porque o seu corpo está te mandando um sinal de que ele precisa parar um pouco. O melhor a fazer é dar esse tempo pra ele. Pare por 5 dias pelo menos em um mesmo lugar e fique todo esse tempo sem fazer nada, sem visitar nada e fazendo apenas coisas simples. Ir ao cinema, um salão de beleza e ler um livro podem ser ótimas atividades nesse momento. Juro, ficar um dia inteiro vendo filmes pode virar um dia sensacional na sua viagem e diferente de todos os outros.
  • Tire férias: você deve estar dando risada agora, mas eu to falando sério. Viajar por longo prazo da trabalho pra cacete e tirar férias da viagem é super gostoso e faz bem. Faça uma atividade ou uma pequena viagem em que você não tenha que pensar em nada. Nós fizemos isso 2 vezes: o Overland Tour na África, onde tudo era organizado por eles e a gente não tinha que pensar em nada, e quando nós organizamos nossa hospedagem, tours e transporte na Turquia por uma agência baratinha local ao invés de fazer por nós mesmos. Eu confesso que a experiência é mais superficial quando alguém organiza tudo por você, mas quando você está cansado isso até que pode te trazer muito prazer.
  • Desacelere: comece a rever a sua forma de viajar. Se o ritmo de antes estava muito acelerado talvez esteja na hora de ir com mais calma, ou você não vai aguentar viajar por mais muito tempo. Provavelmente não é a viagem que não está legal é a sua forma de conduzir a viagem que não está adequada. Dane-se o roteiro que você planejou e todos aqueles lugares que você queria ver. Melhor visitar menos lugares mas se sentindo feliz com o que você está fazendo. Vai por mim, viajar nesse nível de estresse não vai ser uma experiência tão legal. No nosso segundo ano de viagem nós fomos viajando cada vez mais desacelerado. No final a gente ficava dois dias sem fazer nada e um dia visitando alguma coisa e foi uma delícia viajar assim também.

ViraVolta, Volta ao Mundo, Viagem pelo Mundo, Viagem Longo Prazo, Mochileiros, Momentos de Estresse

Nosso momento de férias fazendo o Overland Tour na África após 9 meses de viagem. 30 dias sem ter que pensar em nada da viagem. :-)

2- Você vai sentir falta de pequenas coisas

Depois de um bom tempo viajando você vai começar a sentir falta de pequenas coisas que você estava acostumado e que te davam prazer. Pode ser do cheiro do lençol da sua cama, da comida, de ter uma roupa cheirozinha… E as vezes isso começa a te afetar de uma forma tão forte que pode te deixar um pouco deprimido sim.

Eu por exemplo, quando estava na Colômbia, já com 1 ano e 4 meses de viagem, comecei a ter um crise enorme com a comida. A comida barata local não me agradava, tudo parecia a mesma coisa e eu comecei a ter o mesmo sonho todos os dias, com um prato de comida que eu amava e que na hora que eu ia comer alguém tirava da minha frente. Eu acordava mal humorada e confesso que me senti bem pra baixo durante esses dias.

Engraçado como uma coisa tão boba de uma hora pra outra pode te afetar de forma tão forte. E o melhor que você tem a fazer quando se sentir assim é não ignorar. Afinal, tudo é novo o tempo todo durante uma longa viagem e o seu corpo está sendo afetado por todos os lados.

CURA

  • Se faça um agrado: na Colômbia nós decidimos que íamos comer em restaurantes mais caros onde tivessem comidas que eu estava louca pra comer e ter feito isso me fez muito bem. Não seja pão duro nessa hora. Seu corpo e sua mente estão precisando de um brake. Pague um quarto de hotel melhor com uma super cama cheirosa, lave suas roupas numa lavanderia legal que passa e deixa tudo cheiroso, ou seja lá o que esteja relacionado ao que estava te deixando deprimido. Esse simples agrado vai resgatar suas energias para continuar viajando.

3- Você vai cansar de parecer o turista

Querendo ou não, na maioria dos lugares você vai ter cara de turista. Você não se veste como eles, não se parece como eles, tem uma câmera e está visitando algum lugar potencialmente turístico. Você vai ser enrolado pelos motoristas de taxi e tuk-tuk (ah, não deixe de ver o post onde damos dicas pra você não ser enrolado por eles), pelos malandros “urubus” que querem se dar bem em cima de turistas e vai ser assediado por centenas de pessoas que sempre querem te vender alguma coisa.

Em algum momento da viagem você vai desejar por um dia ser uma pessoa normal, que passa desapercebida no meio da multidão e segue seu caminho sem ser interrompida. É, chega uma hora, que essa condição de “turista” enche o saco.

CURA

  • Tente viver uma vida normal no meio da viagem: e se você parasse por um mês no mesmo lugar para viver o dia-a-dia da cidade, como se você estivesse de fato vivendo lá? Você poderia oferecer suas habilidades em troca de hospedagem e alimentação e criar um certa rotina que te permita experimentar a viagem de uma forma diferente. Esqueça sua câmera e qualquer passeio turístico. Fazer esse brake pode te trazer novas descobertas e quebrar a irritante sensação do estigma duradouro de turista

4- Se você está viajando acompanhado a convivência pode chegar a níveis estratosféricos de estresse

Imagina que você está passando 7 dias da semana e 24 horas por dia do seu tempo com a mesma pessoa. Toda convivência estressa e quando ela é tão intensa assim o estresse pode chegar a níveis nunca antes experimentados. Eu e o Alexis tivemos brigas nessa viagem como a gente nunca tinha tido antes. Afinal, o seu corpo vai estar cansado, tudo é novo para os dois, você está completamente fora da sua zona de conforto e tudo precisa ser negociado para que os dois sejam atendidos.

Cara, é muita energia despendida do seu corpo para equilibrar tudo isso. Ninguém é de ferro. Você vai ter momentos de impaciência por nada, vai ter momentos egoístas em que você só queria pensar em você e mais ninguém, vai dar respostas atravessadas sem nenhuma razão, vai desejar por alguns segundos que aquela pessoa “suma da sua viagem” e trocas de “amor” vão rolar. Mas isso não faz de você uma pessoa ruim. Somos todos seres humanos, temos nossos momentos de desequilíbrio e faz parte. A viagem vai testar os seus limites, mas também vai te ensinar a ceder mais e a lidar melhor com momentos de estresse no relacionamento.

CURA

  • Ache tempo exclusivo pra você: você está cansado de fazer tudo junto o tempo todo e está precisando fazer algo só pra você. Passem um dia fazendo coisas independentes. Um pode fazer um curso que interessa enquanto o outro vai visitar um lugar sozinho. Algumas duplas decidem até se separar por uns dias. Um viaja pra um lado, o outro pro outro e depois se reencontram. Daí bate aquela saudade forte e quando se reencontram é só alegria. Se eu e o Alexis nos separássemos por um dia era impressionante como eu sentia falta dele o tempo todo. Qualquer coisinha me lembrava ele e me mostrava como eu deveria dar valor por ter a companhia dele. Ser humano é assim, tá muito junto reclama, mas quando tá separado sente falta. Mesmo uma curta separação durante a viagem pode revitalizar as energias da dupla.
  • Aprenda a relevar: quando o bixo pegar, senta, respira e conta até 10. Uma técnica clássica que vale para muitas situações do nosso cotidiano. Mas entenda que em uma longa viagem, muitas vezes não é culpa sua e nem da sua dupla, são características da viagem e da convivência intensa. Quando tudo der errado a melhor forma de superar é se apoiando e não achando culpados. Já no segundo ano da viagem eu e o Alexis tínhamos um combinado: quando o bicho pegasse entre a gente os dois tinham que se esforçar ao máximo para fazer o outro rir, esquecendo a questão da briga, já que era por coisa besta mesmo. Essa técnica começou a funcionar muito e deixou nossa viagem mais agradável. Assim ao invés de passarmos um lindo dia de sol na praia brigados acabávamos passando rindo de nós mesmos, o que era bem mais legal.

ViraVolta, Volta ao Mundo, Viagem pelo Mundo, Viagem Longo Prazo, Mochileiros, Momentos de Estresse

Meu dia descendo a Death Road na Bolívia de moutain bike. Sozinha. Yeahhh!

Achou que a vida era só festa? Só que não. Toda situação tem pontos positivos e pontos negativos, o que vale é aprender a lidar com eles. Mas eu prefiro mil vezes os pontos negativos de uma longa viagem pelo mundo do que o da vida louca e estressada que eu tinha antes da viagem. Ah, isso eu tenho certeza.

Créditos foto de capa: Chris Goldberg

Curtiu? Então compartilha!