O FAMOSO DILEMA… CONTRATAR OU NÃO UM SEGURO VIAGEM. MAS SERÁ QUE VOCÊ ESTÁ AVALIANDO ESSA QUESTÃO PELO ÂNGULO CERTO? Viajar sem seguro não significa que você vai ficar sem atendimento pelo caminho, significa apenas que você está brincando de roleta russa. Eu sempre reforço, o seguro viagem não é para tratar dor de barriga, é para situações mais graves. Pois, dependendo da situação, você não sabe o quanto a conta vai custar e isso pode acabar com a sua viagem e até mesmo gerar dívidas.

Eu já contei historinha de 3 viajantes que precisaram de seguro em situações que você nunca imaginaria. Nesse post, eu convidei a Mariana Zanini, do A Toalha, para compartilhar a sua experiência e te ajudar a repensar sobre esse dilema. Afinal, ela teve que interromper a sua viagem de 2 anos pelo mundo para tratar um acidente totalmente inesperado (e engraçado por sinal) que rolou quando ela estava na Tailândia.

Texto de Mariana Zanini

Quando montamos o checklist de uma viagem de longo prazo, um dos itens menos divertidos no qual precisamos pensar é o seguro-viagem. Considerar situações hipotéticas que envolvem acidentes, hospitais e medicamentos pode não ser tão bacana quanto montar o roteiro ou pesquisar atrações, mas é algo que deve, sim, ser levado em conta no planejamento.

Muita gente argumenta que o seguro-viagem é apenas um gasto a mais e que há possibilidade de atendimento barato ou gratuito, mesmo em países menos desenvolvidos, para socorrer pequenas ocorrências como intoxicação alimentar ou um corte no pé. Ok, isso é verdade, tanto que passei mal por conta de um suco com gelo contaminado na Etiópia e fui atendida em um hospital local pela bagatela de USD 10. Mas e quando algo mais grave acontece? Pagar do próprio bolso uma cirurgia ou a remoção de um local isolado para o hospital mais próximo, por exemplo, pode minar o seu orçamento e acabar com as chances de continuar a viagem. Sem querer ser catastrófica, mas pense bem: se você paga um plano de saúde para ficar no Brasil, onde você tem uma rotina e não corre grandes riscos no dia a dia, por que ficaria sem atendimento em lugares desconhecidos, com uma fauna desconhecida, onde você provavelmente vai fazer atividades de aventura como trilha ou mergulho? O julgamento cabe a cada um, mas aqui vai a minha experiência com o seguro-viagem.

Comecei uma volta ao mundo com o Edu, meu marido, em maio de 2015. Contratamos o seguro World Nomads, pois alguns amigos haviam usado e parecia ser o mais completo para viagens desse tipo (cobre várias ocorrências, inclusive acidentes decorrentes de esportes radicais). Passamos cinco meses na África e viajamos mais um tanto pelo Sudeste Asiático. Quando estávamos na Tailândia, eu me meti a musa fitness e decidi fazer exercícios na praia de Ao Nang. No meio de um movimento, meu joelho falhou e torceu para o lado; demorei uns 20 minutos para conseguir andar novamente, sentindo uma dor alucinante. No dia seguinte, voltamos a Bangkok e procuramos um hospital. Meu joelho, inchado feito uma bola, surpreendeu até o ortopedista que me atendeu. Tive de drenar o sangue que se acumulou com a hemorragia interna, passei por exames (raio X, ultrassonografia e ressonância magnética) e recebi o diagnóstico: ruptura total do ligamento cruzado anterior, o mesmo que tantos jogadores de futebol sofrem de tempos em tempos. O médico recomendou cirurgia para três meses depois e indicou o uso de muletas e um suporte para o joelho. O custo total de atendimento, exames e suplementos (muletas e suporte) foi de USD 1.358, totalmente reembolsados pelo seguro.

Depois de duas semanas de repouso e muito gelo no joelho, fui liberada para seguir viagem. Visitamos o Camboja por 16 dias, mas eu precisava tomar muito cuidado para não andar demais ou me esforçar tanto. Pra quem viaja de ônibus, leva mochilão nas costas e bate perna o dia inteiro, essa equação não faz o menor sentido, né? Entramos em contato com o World Nomads de novo para verificar se eles cobririam a cirurgia de reconstrução do ligamento. A atendente, muito simpática, respondeu com o parecer da equipe médica do seguro: como não se tratava de uma cirurgia de emergência, infelizmente o seguro não arcaria com as despesas da operação, mas pagaria as passagens de volta para eu me tratar no Brasil. Não só a minha passagem, mas também a do Edu. E, caso eu decidisse voltar à Tailândia antes do vencimento do contrato (em maio de 2016), eles cobririam a minha passagem de volta ao Sudeste Asiático. Nem precisamos pensar muito: pedimos que agendassem os voos e, uma semana depois, estávamos voltando ao Brasil com tudo pago pelo seguro. Os voos, de Bangkok a São Paulo com escala em Adis Abeba, custaram cerca de USD 1.850 para o casal. Dessa vez, nem precisamos mexer no bolso: o seguro agendou as passagens e arcou com todos os custos.

Agora, estou de volta ao Brasil para tratar o joelho e, assim que estiver liberada, voltamos à estrada. Esse incidente significou uma pausa de 6 meses na viagem por conta do tratamento todo. E eu lá podia prever que isso tudo aconteceria quando começamos a nossa aventura? Claro que não. O seguro-viagem é algo que se paga torcendo pra que não seja usado, mas, quando se precisa recorrer a ele, é um alívio. Realmente, o World Nomads é um seguro mais caro que outros do mercado, mas façamos as contas: o valor que pagamos pelo seguro, para um ano, ficou em USD 2.130 para o casal. Juntando todas as despesas médicas e os voos, os gastos com esse acidente foram de USD 3.208. E aí, me diz: vale a pena investir num seguro-viagem ou não? Se você não tiver essa garantia e precisar cobrir todos os custos médicos, pode não sobrar nada das suas economias para seguir viagem.

Claro que cada um sabe do seu orçamento, e há outras opções mais acessíveis que o World Nomads. Para quem quer viajar muito barato, pode ser complicado investir cerca de USD 1.000 em algo que provavelmente nem será usado — mas conte que talvez você precise, assim como eu, recorrer ao seguro. Vale lembrar, também, que a maioria dos programas de voluntariado (mesmo aqueles arranjados de forma independente ou pelo Workaway) exige que os voluntários tenham algum tipo de seguro. Pesquise qual o melhor para o seu orçamento, inclua essa despesa nas suas contas e aproveite sua viagem ao máximo, sem medo de transtornos!

a toalha

MARIANA ZANINI E EDUARDO GONÇALVEZ

Mari e Edu trocaram a louca rotina paulistana pelo combo mochila, mapa e toalha. Na estrada desde maio de 2015, planejam viajar por África, Ásia, Europa e América Latina por 2 anos. Conheça mais: A Toalha / The Towel.


Você imaginaria que poderia ter um prejú porque decidiu fazer polichinelos na praia? Com certeza não. E a maioria dos grandes incidentes são justamente de situações bestas e inesperadas. Ir sem seguro é um risco que você vai ter que correr e não vai ter como reclamar depois.

Quer saber qual seguro de viagem contratar? Na ViraVolta indicamos diferentes tipos de seguro pra você avaliar o que encaixa melhor com o seu estilo de viajem, o seu perfil de viajante e o seu bolso. Não deixe de ler também tudo o que você precisa saber sobre seguros viagem.

Vai que dá! E com seguro você vai mais tranquilo.

Créditos foto de capa: Mariana Zanini

Curtiu? Então compartilha!