VOCÊ JÁ SE FEZ ESSA PERGUNTA ALGUMA VEZ NA SUA VIDA? A MAIORIA DAS PESSOAS NUNCA DEVE TER PARADO PRA PENSAR NISSO. Eu me fiz essa pergunta uma vez e ela foi um dos catalisadores pra maior revolução da minha vida.

Eu sempre fui uma virginiana típica. Na minha vida tudo tinha que ser perfeito, planejado e friamente calculado. As cores tinham que combinar, nada podia sair do trilho e todo esforço nunca era o suficiente, pois eu sempre achava que podia fazer melhor. Segui uma vida padrão da sociedade e sempre me esforcei pra que nada desse errado e para que eu não decepcionasse ninguém. Afeee… Vida pesada não?

O dia em que eu me perguntei sobre o que queria contar para os meus netinhos, fiquei chocada com a minha visão. A meu ver, eu não tinha nada interessante pra contar. Ia ser mais ou menos assim: “Então, a vovó sempre fez tudo certinho e perfeito, ela trabalhou muito, cresceu e ganhou dinheiro, comprou uma casa, um carro e trabalhou muito, muito, muito mais.” Já tava imaginando meus netinhos dizendo que iam pra casa dos amiguinhos porque meu papo era muito chato.

Aquele pensamento me trouxe muita inquietação e me deu sinais de que aquela não era a minha história. Na verdade, eu estava vivendo uma história que não decepcionasse as outras pessoas. Mas que vida pesada é essa, que a gente vai vivendo preocupado com que os outros pensam ou esperam da gente.

De fato, o que eu queria era viver uma vida excitante e cheia de aventuras, queria poder viver experiências diferentes e descobrir coisas novas. Queria ter muitas histórias interessantes pra contar.

Porém, uma história é feita de escolhas e pra ser bem contada, elas precisam ser escolhas verdadeiras. A decisão de partir para a minha viagem de 2 anos pelo mundo foi onde eu comecei a re-escrever a minha história. Uma escolha sincera, e por nem um segundo eu me preocupei com o que as outras pessoas pensavam. Agora eu quero é viver uma vida cheia de escolhas verdadeiras e que não “me decepcione” apenas.

Não importa qual seja a história que cada um queira contar, ela precisa apenas ser escrita com escolhas sinceras. Escolhas que façam nossa alma sorrir, e não amargar. Porque quando chegar lá no final é isso que a gente vai lembrar e vai querer contar pra todo mundo, inclusive para os netinhos.

E você, que história você quer contar para os seus netinhos?

Curtiu? Então compartilha!