Árvore da vida

Tudo começou com uma viagem Para disfrutar a natureza, árvores, rios e montanhas: Chapada Diamantina.

Foi minha primeira viagem solo. Meu primeiro contato com viajantes do mundo. E ao encontrá-los, num primeiro momento pensei que eles eram loucos. Tive a oportunidade então de conviver com eles por alguns dias..

Minha sensação de liberdade foi tão grande que o voo foi alto, não pensei em mais nada. Vivi o presente como se não houvesse amanhã. Mas ao ouvir tantas histórias destas pessoas que viajavam haviam meses, percebi como eu era limitado, medroso e confinado a um lugar cheio de certezas, mas sem vida.

Pensei enquanto caminhava por bosques e cachoeiras que aquilo não era para mim, que era necessário uma coragem sobre-humana para fazer aquilo: viajar o mundo sozinho. A chave estava no desapego, em deixar minha zona de conforto.

Após tantos dias maravilhosos, a queda foi proporcional ao voo, e, ao entrar no ônibus, naquele assento onde me dei conta que tudo tinha acabado, tive a pior sensação até aquele instante: tenho que voltar para minha vida, que merda. Esta sensação me acompanhou durante toda a volta e por meses de depressão.

Aquele momento nunca saiu da minha mente porque significou o despertar para um mundo todo por descobrir. A semente havia sido plantada porém o medo e as incertezas me faziam fechar os olhos para novas possibilidades. A semente crescia dentro de mim rasgando minha alma, criando novos espaços que ao mesmo tempo criavam dores horríveis, por negar o que eu já sabia.

Dizem que o pior cego é aquele que não quer ver. E eu tinha que deixar ela crescer e tomar meu senso de existência. A cada novo ramo que crescia, uma parte de mim era abalada por uma nova estrutura que queria espaço. Mas o medo me acompanhava e me pedia para arrancar este desejo, que me gerava tanta dor. Mas a dor é necessária. Sem dor não há crescimento. 

A crise, em si, é benéfica, porque sempre provoca uma solução que serve de lição para a história e para as pessoas, momento de decisão, de mudança súbita. Crise tem sua raiz a palavra sânscrita KRI, que significa criar, limpar, desembaraçar e purificar. Para criar algo novo é necessário deixar a crise matar o que é desnecessário.

Não há atalhos para aprendizados na vida. É necessário percorrer o caminho todo. Até que a estrutura se formou e a maior parte da árvore da vida se fez presente. O medo então deu lugar a excitação por descobrir que o que eu tanto temia era a transformação.

Permita-se transformar. Transformar-se em algo além das certezas aparentes. Há muito a descobrir além do que podemos enxergar.

As folhas e flores vão brotar e vão cair, pois são como as consequências de nossos atos. Vão muito além do nosso olhar limitado. O vento, o rio podem levá-las a lugares inimagináveis e podem abrir um sorriso de alguém em algum lugar distante.

Não tema o incerto. Deixa a viagem criar uma árvore da vida em você!

“A árvore não prova a doçura dos próprios frutos; o rio não bebe suas próprias ondas; as nuvens não despejam água sobre si mesmas. A força dos bons deve ser usada para benefício de todos.” – Provérbio hindu

Photo by Johannes Plenio on Unsplash

curtiu? então compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Júlio Furquim

CÚMPLICE VIRAVOLTA

Um aficcionado por café que viajou o mundo para encontrar o sentido da vida após uma crise de depressão. Se afiliou a ViraVolta porque acredita que viajar o mundo ajuda as pessoas a serem melhores. Montanhas e longas caminhadas são sempre uma inspiração para escrever. Discípulo da filosofia para a vida cotidiana de carne e osso.

Como ajudamos

Anterior
Próximo