Ela, uma Catarinense de 33 anos, é psicóloga de formação e filósofa por paixão. Uma inconformada questionadora do mundo e da própria vida, que fala com o coração. Ele, um Curitibano de 37 anos, é engenheiro florestal. Se considera um curioso explorador, com perfil racional e que ama o diferente.

O casal se conheceu em Floripa em 2004, quando Guilherme estava prestes a partir para uma viagem para Tailândia e Camboja. Bianca deu uma bússola de presente para que ele achasse o caminho de volta. E ele achou. Ao retornar, Guilherme ganhou um livro-diário que ela fez para ele com todos os e-mails onde ele relatava as aventuras de sua viagem. O casal nunca mais desgrudou e o casamento rolou 4 anos depois. Esperta essa Bianca.

Ambos sempre trabalharam em grandes empresas, ela em RH e ele em gestão de mercado. Mas um dia uma decisão mudou tudo. O Guilherme apareceu com a brilhante idéia de largar tudo para viajar por dois anos, motivado pela curiosidade de conhecer o mundo antes que ele se padronizasse. A Bianca, com sua personalidade investigativa, ficou intrigada com a proposta, mas deixar toda a segurança para trás não era tão fácil para ela. Segundo ela, o processo de internalização da idéia durou 3 meses e algumas sessões de terapia. No final ela estava decidida a viajar por 8 meses apenas, o que incluía uma rápida passagem pelo Brasil, a fim de não prejudicar tanto seus projetos e trabalho em Curitiba. Mesmo decidida a ir foi difícil se desapegar de tudo o que ela já havia construído em sua vida, mas mal sabia ela o que vinha pela frente.

A GRANDE AVENTURA PELO MUNDO

O Guilherme partiu sozinho com um friozinho na barriga no início de 2009 vivendo uma incrível aventura pela África Oriental e a Bianca só se juntou a ele 2 meses e meio depois, na Tanzânia. Juntos eles ainda visitaram a Península Arábica, o Sudeste asiático, a Índia, o Oriente Médio, o Sul da Europa e a Rota da Seda na Asia Central, incluindo muitos países inusitados e fora da cena turística. Uma viagem que durou quase 3 anos, passando por 50 países e com um orçamento bem em conta de cerca de 25 dólares (60 reais) por pessoa por dia. Um estilo de viajar  que segundo eles garantiu um forte contato com as culturas e proporcionou experiências transformadoras.

Bianca e Guilherme

A Bianca começou a viagem logo pela África e países árabes, uma realidade tão contrastante da dela aqui no Brasil que mexeu muito com a sua cabeça. Aquela idéia de viajar por 8 meses não durou muito. Após 2 meses ela estava tão encantada que decidiu jogar tudo pro ar de longe mesmo e se entregar completamente à experiência. Decisão pela qual ela nunca se arrependeu.

Nesses 3 anos eles viveram experiências únicas que geraram sensações inesquecíveis, como dormir em igrejas e monastérios cristãos, jantar com uma família judia ortodoxa durante o Shabat, participar do evento Khumba Mella na Índia com direito a banho no Ganges, serem escoltados pela polícia paquistanesa ao passar por áreas controladas pelo Talibã, acampar na África sem relógio, sem data e fazendo fogueira para espantar os animais, viajar de carona e até mesmo de jangada, estudar religiões comparadas, se hospedar na casa de pessoas que eles tinham acabado de conhecer e muitas outras aventuras. Histórias de uma aventura pelo mundo.

Bianca e Guilherme

A MAGIA DAS REDESCOBERTAS

Para eles a viagem ofereceu tantas experiências marcantes que é impossível não afetar na forma de pensar e ver o mundo. Experiências que dificilmente eles teriam a chance de viver aqui. O contato com pessoas de outras culturas, o choque de valores entre as civilizações, as dificuldades enfrentadas no dia-a-dia, a necessidade de tomar decisões diariamente e o tempo para pensar foram fatores que geraram reflexões constantes e resultaram em diversos aprendizados:

  • Experimentar faz a diferença para ensinar coisas que você nem podia imaginar
  • A valorizar mais os pequenos momentos da vida
  • Que a maior parte das coisas da vida não está sob nosso controle
  • Uma nova hierarquia de valores na vida
  • Que o ser humano é bom e existem mais pessoas dispostas à ajudar que prejudicar
  • Que menos é mais e não precisamos de tantos bens materiais para ser felizes
  • Que temos poucas idéias próprias e que muito é produto da nossa cultura e sociedade
  • E que a vida é muito maior do que se pode imaginar.

Aprendizados e redescobertas preciosos que agora eles levam com eles no dia-a-dia de suas vidas.

E AGORA, COMO FICA A VIDA?

Após tudo o que vivenciaram na viagem eles afirmam que a vida ficou mais fácil. Eles se dizem estar mais leves, mais pacientes com a vida e mais tranquilos, além de se sentirem mais seguros em relação às suas escolhas e de acreditarem agora que tudo é possível. Os planos para a vida não mudaram completamente, mas sim a forma como eles pretendem vivê-los. Guilherme já avisa que vai fazer de tudo para viajar o mundo com os filhos.

Hoje, 2 anos após a volta da viagem eles vão de vento em poupa com seus trabalhos. Bianca trabalha como psicóloga autônoma com psicoterapia, projeto de vida e com workshops de viagens e de desenvolvimento humano atendendo em seu novo consultório. Guilherme continua trabalhando na sua área de engenheiro florestal, porém agora como autônomo, realiza palestras, planeja roteiros alternativos de viagem para uma agência especializada e recentemente escreveu dois livros sobre sua viagem. Bianca afirma que nunca se sentiu tão feliz e que a viagem foi fundamental para descobrir o equilíbrio que ela aplica atualmente em sua vida.

UM CONSELHO PARA QUEM ESTÁ PRECISANDO DE CORAGEM

Para conhecer o mundo não adianta ler livros ou ver filmes, é preciso experimentá-lo. Se você estiver em dúvida, não fique, pois não existe ponto negativo. Não importa seu objetivo. A visão do mundo só tende a ampliar e vai abrir sua cabeça para te fazer uma pessoa melhor, mesmo profissionalmente.

Bianca e Guilherme

Bianca e Guilherme não são loucos, não são irresponsáveis, não são milionários e nem ricos… São um casal normal da sociedade que apenas decidiram desafiar o status quo de suas vidas para vivenciar uma experiência diferente de tudo o que eles tinha vivido até então. Afinal, conforme platão disse: “Uma vida não questionada não merece ser vivida.”

Dados da viagem

3 anos pelo mundo
50 países visitados
200% a mais de coragem
muitas histórias pra contar

QUER SABER MAIS SOBRE ELES E SUAS ESTÓRIAS?

NÃO DEIXE DE LER OS LIVROS DO GUILHERME:

  • De Cape Town a Muscat – Uma aventura pela África
  • De Istambul a Nova Délhi: Uma Aventura pela Rota da Seda

Créditos das fotos: saiporai.com

Curtiu? Então compartilha!